Complicações cardíacas e pulmonares

Problemas cardiovasculares e complicações pulmonares são condições graves e potencialmente fatais que podem afetar pacientes com mieloma múltiplo. Muitos pacientes com mieloma múltiplo, como acontece com a população em geral, já apresentam doenças como pressão alta, colesterol alto ou diabetes. Essas condições os colocam em risco de eventos trombóticos venosos (ETVs) e problemas cardiovasculares.

Eventos Tromboembólicos Venosos (ETVs)

Os pacientes com mieloma correm o risco de eventos tromboembólicos venosos graves e potencialmente fatais devido à sua doença, à presença de fatores de risco individuais e aos efeitos dos tratamentos anti-mieloma.

ETV refere-se a um coágulo sanguíneo (trombose venosa profunda ou TVP), geralmente nas extremidades inferiores. Os coágulos sanguíneos podem se soltar ou “embolizar” e viajar para um pulmão. Uma embolia pulmonar (EP) é um coágulo sanguíneo que se dirige ao pulmão. Pode ser fatal. Os sintomas de EP e TVP estão listados abaixo. Eles devem ser comunicados à sua equipe médica imediatamente.

A TVP é o evento tromboembólico mais comum. Os sintomas incluem:

  • Inchaço, dor, dor, aperto ou um caroço duro ou macio no braço, perna, mão ou pé
  • Batimento cardíaco rápido
  • Veias maiores que o normal (distendidas)

Os fatores de risco para a formação de coágulos incluem:

  • Falta de atividade
  • Obesidade
  • Fumar
  • História pessoal ou familiar de coágulos sanguíneos
  • Tomando compostos de estrogênio (terapia de reposição hormonal)
  • Tomar medicamentos para aumentar o número de glóbulos vermelhos, como epoetina ou darbepoetina alfa 
  • Cirurgia recente
  • Ter um cateter venoso central instalado
  • Viagem aérea prolongada

A embolia pulmonar é um coágulo sanguíneo que chega ao pulmão. Sintomas incluem:

  • Ansiedade
  • Batimento cardíaco acelerado e respiração rápida
  • Dor no peito ou novo início de falta de ar
  • Tossir sangue

Os medicamentos imunomoduladores (IMiDs) – talidomida, Revlimid e Pomalyst – em combinação com dexametasona são conhecidos por aumentar o risco de TEV em pacientes com mieloma. De acordo com o artigo, publicado no suplemento de Mieloma Múltiplo do Clinical Journal of Oncology Nursing de outubro de 2017, os pacientes com mieloma múltiplo que estão tomando um IMiD mais dexametasona têm um risco seis vezes maior de apresentar um evento tromboembólico venoso (TEV).

Todos os pacientes que estão recebendo um IMiD em combinação com dexametasona devem receber terapia anticoagulante. O tipo e a dose de anticoagulante dependem de fatores de risco individuais que devem ser avaliados pelo hematologista / oncologista responsável pelo tratamento. Seu médico revisará seu histórico médico pessoal e familiar e fará uma verificação completa de seu estado de saúde, incluindo um exame físico, para identificar seus fatores de risco.

Dado o risco elevado de TEV entre pacientes com MM, as seguintes estratégias preventivas são recomendadas:

  • Exercícios regulares (como caminhar ou fazer exercícios na cadeira, se caminhar não for possível) para prevenir a imobilidade
  • Meias de compressão
  • Controle de peso
  • Manter-se bem hidratado
  • Check-ups cardíacos regulares e gerenciamento de problemas cardíacos
  • Anticoagulantes para viagens longas de carro ou avião, se ainda não estiver usando um anticoagulante
  • Anticoagulante enquanto toma IMiDs em combinação com dexametasona
  • Evitar medicamentos como anticoncepcionais orais ou eritropoietina que aumentam o risco de coágulos sanguíneos

Doença Cardiovascular e Hipertensão Pulmonar

O dano direto ao tecido cardíaco é uma complicação potencial de curto ou longo prazo da terapia anticâncer. Pacientes com mieloma correm maior risco se tiverem qualquer um dos seguintes:

  • História de tabagismo
  • História familiar de doença cardíaca em um parente de primeiro grau do sexo masculino com menos de 55 anos ou do sexo feminino com menos de 65
  • Pressão alta
  • Obesidade
  • Colesterol alto
  • Estilo de vida sedentário
  • Diabetes
  • Doença vascular que não envolve o coração
  • Doença renal crônica
  • Amiloidose de cadeia leve cardíaca

Medicamentos associados a efeitos colaterais cardiovasculares em pacientes com MM

  • ciclofosfamida
  • cisplatina
  • doxorrubicina
  • carfilzomib (Kyprolis)
  • bortezomib (Velcade)
  • dexametasona
  • lenalidomida (Revlimid)
  • pomalidomida (Pomalyst)

A FDA incluiu recomendações a seguir para a seguintes drogas:

  • Both Revlimid and Pomalyst carry warnings that the combination of either drug with dexamethasone can cause an increased risk of arterial and venous thromboembolism, myocardial infarction (heart attack), and stroke.
  • Tanto Revlimid quanto Pomalyst têm alertas sobre os riscos de tromboembolismos arterial e venoso, infarto do miocárdio e derrame quando em combinação com a dexametasona.
  • As recomendações para o Kyprolis contém os seguintes alertas:
    • Reações cardiovasculares adversas incluindo falha no coração e isquemia: Monitorar complicações cardíacas
    • Trate prontamente e retenha o Kyprolis
    • Hipertensão Pulmonar: Reter dosagem em caso de suspeita

Pacientes com problemas cardíacos pré-existentes devem informar seus cardiologistas antes de iniciar a terapia com qualquer um dos medicamentos conhecidos por causar complicações cardíacas e pulmonares.

Para saber mais sobre cada uma dessas complicações, explore abaixo outras complicações e efeitos colaterais.

AnemiaDoença ÓsseaStress, Fadiga e Sexualidade
Problemas GastrointestinaisComplicações no Coração e Pulmão
Problemas no RimMielossupressãoDor
Cuidado PaliativoNeuropatia PeriféricaEfeito Colateral de Esteróides

Close Bitnami banner
Bitnami